[Resenha] Perdida, de Carina Rissi







Perdida é o romance de estreia de Carina Rissi. Carina declara-se uma leitora voraz e tem o hábito de ler a última página de um livro antes de comprá-lo. É fascinada pelo tema "amores impossíveis" e sua fonte de inspiração são as obras de Jane Austen. E Perdida está lotada de referências à escritora do século XIX.


E por falar em séculos anteriores, é difícil encontrar uma garota que não tenha suspirado por livros e filmes que retratam tais épocas. Todas aquelas roupas, aqueles bailes, aquele decoro,,, ai, ai! Não é a toa que algumas pessoas lamentam não terem vivido nessa época."

Tal façanha pode parecer impossível para muitas, mas não para Sofia Alonzo!

Sofia tem vinte e poucos anos, um emprego, um chefe chato e uma melhor amiga, Nina, que se tornou sua única família quando seus pais morreram. Claro que também têm o Rafa, o namorado irresponsável da Nina, mas eles brigam mais que cão e gato, então ele não entra na lista.

Numa noite, enquanto saía com Nina e o Rafa, Sofia deixa seu celular cair na privada. E,. como todo bom celular, o aparelhinho para de funcionar. Frustrada, Sofia vai na manhã seguinte à uma loja comprar seu celular. Ao chegar lá, é atendida por uma estranha vendedora que lhe oferece um aparelho raro. Sofia fica desconfiada, mas acaba levando o aparelho. Afinal, como toda pessoa no século XXI, ela não consegue ficar sem as comodidades tecnológicas deste século. Ao sair da loja e ligar o aparelho, um clarão aparece e...bum! Sofia está no século XIX.

Ou melhor, Sofia está no rigoroso século XIX vestindo apenas uma camiseta e uma mini-saia e calçando seus confortáveis all-star vermelhos.E foi nessas condições que ela conheceu Ian Clarke, um dos jovens mais promissores e cobiçados da região.

Ian a leva para casa, onde sofia conhece Elisa  , irmã de Ian, que logo morre de amores por ela. E também tem Teodora, a vizinha e melhor amiga de Elisa, que parece odiar Sofia sem nenhuma razão. Enquanto tenta desesperadamente achar uma maneira de voltar para casa, Sofia tem que aprender a agir como uma dama do século XIX, para não levantar suspeitas sobre sua origem. Lógico que ela falha miseravelmente, o que proporciona muitas risadas. E se não bastasse tudo isso, Sofia ainda precisa lutar contra o que vem sentindo por Ian.

Uma das coisas que eu mais gostei, foi ver Sofia ter que explicar gírias e ditados, que ela falava naturalmente, mas que soavam completamente vazios e sem nexo duzentos anos atrás. E também é muito bom vê-la tentando se virar sem as comodidades do dia a dia, como: luz elétrica, água encanada e vaso sanitário! Logicamente, ao ver Sofia vivenciar todos esses problemas, você acaba se colocando no lugar dela e se perguntando o que você faria se tivesse que, por exemplo, usar folhas de alface no lugar de papel higiênico!


Claro que, acima de tudo, Perdida fala sobre amor! Sobre o quão longe, às vezes, precisamos ir para encontrar a felicidade e que, querendo ou não, sacrifícios precisarão ser feitos. Mas principalmente, Perdida fala sobre o Tempo, como temos de lutar contra ele, como ele pode nos separar das pessoas que amamos, mas que também, esse mesmo Tempo, pode juntar dois corações.





3 comentários :

  1. kkkkkkkkkk
    Eu entendi a da alfacee
    Mann eu amei esse livroo, tipo li muito rápidooo
    Estou louca para ler o segundooo
    Beijinhos Screepeer
    Screepeer

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Estou enrolando faz tempo p/ ler esse livro. Agora já add na lista... Ameii... sua resenha.
    <3

    ResponderExcluir