[Resenha] O Livro das Princesas




Autores: Patricia Barboza, Paula Pimenta, Lauren Kate, Meg Cabot
Páginas: 288
Ano: 2013
Editora:Galera Record





Sinopse: As mais populares autoras contemporâneas norte-americanas, Meg Cabot (Diário da princesa e A mediadora) e Lauren Kate (Fallen), se unem às brasileiras e igualmente bem-sucedidas Paula Pimenta (Fazendo meu filme) e Patricia Barboza (As mais) em uma coletânea que reinventa contos de fadas clássicos e traz para a realidade das crianças e jovens de hoje em dia. Uma Cinderela Dj, uma Rapunzel popstar, a Fera se apaixona por uma supermodelo, e existem unicórnios na história da Bela Adormecida.  O convite partiu da editora Galera e foi recebido com festa. O livro das princesas é o novo clássico.
Meg Cabot recria a história de "A bela e a fera" em "A modelo e o monstro".  A bordo de um transatlântico de Miami para Santos, em São Paulo, Belle, uma modelo famosa, irá questionar os próprios valores depois de conhecer um rapaz misterioso e gentil, que se esconde nas sombras. 
Em "Princesa pop", Paula Pimenta reinventa "Cinderela". Cintia vê seu cotidiano virar de cabeça para baixo depois da separação dos pais: vai morar com a tia, se afasta do pai e, principalmente, deixa de acreditar no amor. Até que um encontro inesperado e revelador a faz rever as próprias escolhas.
"A bela adormecida" é recontada por Lauren Kate em "O eclipse do unicórnio". Duas realidades e três personagens têm seus destinos entrelaçados: um jovem que levou um fora da namorada e se vê obrigado a participar de uma excursão da escola para Paris, uma princesa que há séculos foi vítima de uma maldição e o unicórnio responsável por sua desgraça. 
Patricia Barboza reconta a história de "Rapunzel" em "Do alto da torre". Camila tem cabelos muito compridos por causa de uma promessa feita pela madrinha quando estava doente, mas que acaba quando ela fizer 15 anos. Finalmente ela poderá cortar o cabelo e ser normal como as outras meninas. Só que um acidente com o melhor amigo vai mostrar que primeiro ela precisa aceitar quem realmente é.













A Modelo e o Monstro, Meg Cabot

A Bela e a Fera é meu desenho/conto de fadas/história de princesa favorito. E enquanto eu lia esse conto, eu tinha altas esperanças para o desenvolvimento da história e o final, principalmente pela autora ser a maravilhosa Meg Cabot. Só que eu fiquei frustrada. A história é boa, tem elementos bem interessantes, que remetem principalmente ao desenho da Disney, mas ficou muito corrido. Se a Meg tivesse umas cinquenta páginas a mais, ela teria escrito o melhor conto do livro, sem dúvida alguma. Mas pela pouca quantidade de páginas (60) e pelo curto perido em que a história se desenvolve, ficou tudo muito corrido e foi difícil engolir que Belle e Adam se apaixonaram tão rápido assim.

O conto é bonitinho, mas com umas páginas a mais poderia ser perfeito.




Cinderela Pop, Paula Pimenta

Sem dúvidas esse conto foi a melhor adaptação do livro (e eu não estou puxando o saco da Paula Pimenta). Nele aparecem todos os elementos da história original (tendo a Disney como referência), com umas pequenas mudanças. 

Cindy virou uma DJ que só trabalha até a meia noite, o príncipe virou cantor de música pop e o sapatinho de cristal deu lugar a um all star customizado.  Ah, e claro que também temos a madrasta malvada e as terríveis meia-irmãs.


 

Eclipse do Unicórnio, Lauren Kate

A proposta do livro é trazer os contos de fadas o mais próximo da nossa realidade e, sinceramente, a Lauren Kate não cumpriu esse objetivo. No início da história eu achava que a Bela adormecida seria o Percy e eu já estava achando um máximo ver um "belo adormecido". Já estava até imaginando que ele afogar as mágoas pelo fora da ex-namorada, ia apagar em algum lugar da cidade e depois ser acordado por uma princesa,

Só que não foi isso o que aconteceu.

Enquanto está visitando um dos jardins franceses, Percy entra numa outra realidade dimensional, onde todas as pessoas estão dormindo, porque a princesa Talia furou o dedo no chifre de um unicórnio (oi?). Particularmente, não consegui me conectar com nenhum dos dois personagens. E tirando o chute na bunda que o protagonista levou, não vejo nenhuma conexão com o dia-a-dia adolescente.




Do Alto da Torre, Patricia Barboza

Antes de ler esse conto, eu não tinha lido nada da Patricia (mas eu comprei um livro dela na Bienal!). E eu gostei! Achei que o conto ficou bem similar ao original, só que bem mais leve. A Camila, ou Rapunzel, tem esse apelido porque a madrinha dela fez uma promessa quando ela ficou doente de que ela não ia cortar o cabelo até que a menina fizesse 15 anoas, então o cabelo dela é beeeem grande!

Ah, sim, a Camila mora com a madrinha, pois seus pais morreram num acidente de carro. E ela passa seus dias trancada no apartamento, que ela carinhosamente chama de torre, sendo visitada apenas por seu melhor amigo, Pedro. Ah, Pedro! <3 































0 comentários :

Postar um comentário