Resenha - X-Men: Deus Ama, O Homem Mata


"O Professor Charles Xavier e seus pupilos, Ciclope, Tempestade, Wolverine, Noturno, Kitty Pryde e Colossus, os X-Men, entram na mira do fanático pastor William Stryker, um influente religioso que considera os mutantes uma cria diabólica e uma afronta contra Deus e Sua Criação. Seja com suas palavras, seja com sua milícia assassina de mutantes, os Purificadores, Stryker quer guerra e até Magneto se unirá aos X-Men nesse confronto feroz combatido não só com punhos, mas com palavras e sentimentos."



Titulo: X-Men: Deus Ama, Homem Matar
Escritor: Chris Claremont
Arte: Brent Anderson
Ano:1988
Editora: Marvel



Não sou nenhum fã inveterado de X-Men, mas sempre gostei do conceito por trás dos personagens e do grupo em si. Esse arco deles mostra exatamente a verdadeira ideia deles. No meu entendimento, X-Men tem que ser diretamente ligado no preconceito e ao medo. O preconceito com aquilo que é diferente e o medo dessa diferença chegar ao seu filho, amigo ou a você mesmo. Bem, agora o início deste texto vai fazer mais sentido para vocês. O caso, é que um o Coronel Stryker (se você viu X-Men 2 deve lembrar dele) de lidera uma cruzada para matar os mutantes, e “esterilizar” a terra. O grande ponto desse vilão, é que ele realmente acredita estar fazendo o certo. Em certos pontos, ele vai citando trechos da bíblia como uma “justificativa” dos seus atos. Isso me leva a outro ponto, que é a manipulação política e religiosa, e qualquer um consegue ver que esse é o tipo de coisa que acontece hoje (e digo isso com muita tristeza). A chamada Cruzada Stryker ganha cada vez mais força quando Stryker utiliza de mutantes mais “monstruosos”, como Noturno, como exemplo, alegando que “isso não pode ser obra divina”. A Cruzada ignora totalmente a pessoa em si, e vê somente a “ameaça”, de forma que não hesitam e assassinar a sangue frio mesmo que sejam crianças.

Uma criança mutante sendo morta, apenas por ser mutante

“Deus ama, homem mata” foi um arco que mexeu pessoalmente comigo. Só quem já sofreu alguma espécie de preconceito sabe realmente como é o sentimento. Quando acabei de ler, além da diversão que um quadrinho proporciona, senti como se tivesse tido uma aula do que realmente é preconceito, seguido de muita reflexão. Este arco é muito recomendado, tanto para quem gosta, quanto para quem não é fã. Mas é importante lembrar que esse é um arco bem pesado e violento, talvez não seja recomendado para os mais jovens.

Por: Filipe

1 comentários :

  1. Esse é um dos melhores arcos que já li dos X-Mem. Na verdade comecei acompanhar através dos desenhos da década de 90 e os filmes... Comecei a ler quadrinhos dos X-Mem de poucos anos. O que li, como disse o Filipe é uma aula sobre preconceito e manipulação política/religiosa... Arco perfeito!

    ResponderExcluir