[Resenha] Para todos os garotos que já amei, de Jenny Han



Autora: Jenny Han
Páginas: 320
Ano: 2015
Editora: Intrínseca

Sinopse: Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou - cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos.
Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.

Assim que a Intrínseca divulgou o lançamento desse livro, eu achei a sinopse meio chata. Eu achava que por envolver cartas, ele poderia ser em forma epistolar, e acabei ignorando o livro. O tempo foi passando e vi vários blogs e instagrams literários fazendo comentários positivos sobre o livro, o que acabou reascendendo meu interesse pelo livro. Comprei no final do ano passado, mas só em Janeiro deste ano que finalmente embarquei nessa leitura.

E até agora estou me perguntando por que raios demorei tanto tempo para ler esse livro?


O livro é sobre Lara Jean, uma adolescente de 16 anos, que possui um hábito muito incomum na geração atual: o hábito de escrever cartas. Mas Lara Jean não escreve qualquer tipo de cartas, ela escreve cartas de amor. Ela possui uma carta para cada garoto que ela já amou. Ela a maneira que ela encontra de finalizar aquele sentimento, expondo tudo o que sente naquele papel, e selando-o num envelope, junto com o sentimento, agora inexistente.

Lara Jean e sua família estão curtindo os últimos dias de verão, antes que tudo muda drasticamente. Ela é a filha do meio de uma família Américo-Coreana, cujo pai, que é um ginecologista obstetra, equilibra a profissão médica com os cuidados da família e ainda tenta manter vivo nas filhas o contato com a cultura coreana, proveniente do lado materno.

Margot, a irmã mais velha, desde a morte da mãe tinha se tornado responsável pelas irmãs, e sempre fazia de tudo para tornar o trabalho do pai menos pesado. Ela nunca tinha reclamado dessa função. Margot sempre fora muito organizada e responsável, então aquela função tinha caído como uma luva para ela. Mas agora Margot estava indo para uma universidade na Escócia, há mais de 6 mil quilômetros de casa, deixando Lara Jean como responsável pela casa e por Kitty, a  doce e espevitada caçula da família. Lara Jean estava consciente dessas mudanças, mas ela não fazia ideia de que com a partida, Margot também terminaria seu relacionamento com Josh.

Josh, o vizinho da família há mais de cinco anos. O "cara da família" com quem seu pai podia conversar sobre quadrinhos e levar para pescar. A pessoa que ficava assistindo a desenhos animados com Kitty. O melhor amigo de Lara Jean e também seu primeiro amor. 

Num belo dia, de uma maneira inexplicável, todas as cartas de amor que Lara Jean guardava foram enviadas a seus destinatários e ela começa a ser confrontada pelos garotos que receberam as cartas, entre eles Josh e Peter Kavinsky.

Lara Jean, tinha certeza de que tinha superado Josh no momento em ela tinha fechado o envelope daquela carta. Ele era o namorado da irmã dela, e aquela história havia acabado. Mas agora, o envelope tinha sido aberto, Josh tinha lido a carta e aquele sentimento esquecido, se reaparecia, como se estivesse apenas adormecido.  Mas Josh não é qualquer garoto. É o melhor amigo dela e o ex-namorado da irmã. Ela não podia ficar com ele, não seria certo. Pena que o coração muitas vezes ignora o certo e errado e escolhe bater por quem ele bem entende. Mas é aí que surge Peter Kavinsky.  


Correção: É aí que ressurge Peter Kavinsky.

Peter Kavinsky, ou apenas Kavinsky, não foi o primeiro amor de Lara Jean, mas foi seu primeiro beijo, quando ela ainda estava no oitavo ano. Numa época onde ela, Peter e Genevieve ainda eram amigos, já que no ano seguinte ambos se afastaram de Lara Jean, e começaram a namorar.

Agora, Kavinsky e Genevieve estão separados e ele jura que dessa vez é definitivo. O problema é que ele e Genevieve já se separaram e voltaram tantas vezes que todo mundo (até a própria Genevieve) encara a separação apenas como um transtorno temporário. E então aparece a carta de Lara Jean, dando a Peter a ideia perfeita de convencer a todos sobre o término definitivo de seu relacionamento: um namoro falso com Lara Jean.

Lara Jean fica receosa de aceitar a proposta de Peter, já que ela não quer se envolver na loucura que é o relacionamento dele com Genevieve, mas a cada dia Josh parecia cada vez mais confuso em relação aos seus sentimentos e cada vez mais insistente em relação à ela.  

E nessa confusão de cartas, família, mentiras, Josh e Peter, Lara Jean pode acabar descobrindo o que é amar de verdade e que a carta que ela escreveu há anos atrás, definitivamente, não tinha colocado um ponto final naquele sentimento.

Jenny Han tem uma escrita brilhante. O jeito doce e ingênuo de Lara Jean, em nenhum momento torna a personagem extremamente infantil ou caricata. Muito pelo contrário! Ela dá a Lara Jean um senso de familiaridade extraordinário. Você  se identifica com ela ou acha que a sua melhor amiga parece com ela, a questão é que você sente que conhece Lara Jean.  E fazia  um tempo que eu não lia um livro que me deixasse com um frio na barriga e tão nervosa que tive que parar na página 258, por não ter condições psicológicas para continuar.

Lara Jean não apenas mostra os motivos dela se apaixonar por Josh e Peter, ela faz com que você se apaixone por eles também, e viva o drama da indecisão, da amizade se colorindo, da lealdade familiar e de tantas outras questões, que embora tenha sido o primeiro livro desse ano, tem grandes chances de entrar no top 10, sem dúvidas!




0 comentários :

Postar um comentário